• Anissis Moura Ramoos

Insônia


Entende-se por insônia a queixa de sono inadequado, de baixa qualidade causada pela dificuldade de pegar no sono; sono não restaurador; acordar várias vezes a noite e custar a pegar no sono novamente. A insônia traz como consequência a falta de concentração, a irritabilidade, falta de energia e cansaço.

A insônia pode ser classificada como transiente (de curto prazo), intermitente (quando ela vai e vem) e crônica (quando é constante). Algumas pessoas podem ser mais suscetíveis à insônia, como por exemplo, quem tem histórico de depressão, idosos, mulheres, estressados, ansiosos ou pessoas com problemas clínicos como artrite, hipertiroidismo, apneia, etc. Outros fatores que contribuem são: fumar antes de dormir; ingerir bebida de álcool; ingestão excessiva de cafeína; expectativa e preocupação de ter dificuldade para dormir; uso de eletrônicos antes de dormir, entre outros.

Um ponto que deve ser considerado é a hora que a pessoa costuma deitar, sua idade e sua média de sono habitual. Muitos trazem a queixa de insônia, mas quando vamos investigar vê-se que na realidade não é uma insônia e sim a pessoa está indo dormir muito cedo. A média normal de sono de um adulto é de seis a oito horas; se a pessoa deitou às 21 ou 22h e acordou as 3, 4 ou 5h, provavelmente ela não sofra de insônia, pois teve o seu tempo de sono satisfeito. Nesses casos, a pessoa deve procurar adiar a hora de deitar, ao invés de querer uma solução mágica, ou seja, um remédio para resolver o problema de insônia.

Recomenda-se que a partir das vinte e uma horas as luzes da casa sejam baixadas, que os eletrônicos sejam desligados para que o cérebro comece a ser dar conta que é noite, hora de descansar e aumente a liberação do hormônio melatonina responsável pelo sono.

O ideal é evitar o uso de remédios para dormir, conhecidos popularmente por calmantes, pois estes geram dependência química. Atividade física durante o dia, boa alimentação, meditação, relaxamento, leitura à noite, exercício respiratório, ajudam a resolver o “problema de insônia”.

Importante destacar que muitas pessoas sofrem de pseudo-insônia, ou seja, são aquelas que deitam muito cedo e acordam na madrugada; as que ficam dormindo frente à televisão; as que dormem muito a tarde, as que tem uma vida sedentária e não gastam quase energia durante o dia.

Outra dica importante é que ao acordar na madrugada, a pessoa não fique rolando na cama e pensando que sofre de insônia, que vai ser mais uma noite sem dormir, etc. Acordou, tentou dormir e não conseguiu? Levante e vá ler, tome um chá, faça um relaxamento, mantenha a luz baixa e quando começar a sentir sono, volte para cama. Nada de ligar televisão ou de ficar olhando as redes sociais, o que é muito comum. Desconecte um pouco e priorize a saúde física e mental.


0 visualização

CLIQUE E FALE

+55 51 999-877-258

REDES SOCIAIS

Código de Ética Profissional do(a) Psicólogo(a)

CONSULTÓRIO

Rua Rita Lobato, 191 sala 306

Praia de Belas - Porto Alegre/RS

Conselho Regional de Psicologia do RS