Amor


A maioria das pessoas quer ter um amor e quem de nós não quer um amor?

O amor foi a inspiração para vários poemas épicos, para grandiosas óperas e melodias simples foram cantadas em seu nome. Muitos indivíduos se mataram em nome do amor.

O amor pode ser algo sofrido para algumas pessoas e prazeroso para outras, mas afinal o que é o amor? Define-se o amor como uma emoção, um simples sentimento de abnegação e compromisso com o bem estar do outro. Alguns podem comparar o amor com uma experiência religiosa, outros com um tipo de loucura. Talvez se possa pensar que o amor é uma loucura inconsciente, quando escutamos alguém dizer que está “loucamente apaixonado”.

Talvez o amor seja um estado incomum da mente ou quiçá uma falta de bom senso. Pode ser também, uma bela forma de nos enganarmos, porque muitas vezes aquilo que chamamos de amor, na realidade está muito distante dele. Observa-se nos relacionamentos quando surgem os conflitos.

Ao iniciar uma relação, as pessoas criam uma expectativa inconsciente ou até mesmo uma fantasia de que o parceiro irá suprir as suas necessidades não atendidas, propiciando-lhe uma sensação de completude. Não é ruim ter o desejo que suas expectativas sejam atendidas, pois em qualquer relacionamento, procura-se ter as necessidades atendidas e dentro do possível atender as do outro.

Quando as expectativas são realistas, o relacionamento tem grande chance de prosperar, por ter clareza do que quer e de como poderá atingi-las. Porém, as estatísticas apontam que o número de divórcios está aumentando, portanto pode-se inferir que esse não é o tipo de relacionamento que prevalece. Ao contrário, mostram que as necessidades ou os desejos do casal não são conscientes. São expectativas inconscientes de um ou de ambos os parceiros, muitas vezes irreais ou distorcidas.

É comum não perceber a necessidade do outro, tornando-se apenas mais uma frustração na vida do cônjuge. Na maioria das vezes isso ocorre porque o casal tem dificuldade de falar dos seus desejos, das suas necessidades, expectativas e sentimentos. Quando isso acontece, existe a grande chance de o relacionamento não dar certo, visto que o outro não tem como adivinhar o que o seu cônjuge almeja na relação.

Importante sublinhar que muitas das expectativas criadas em relação ao parceiro estão vinculadas a questões da família de origem e que tentam resgatar a atenção, o desprezo, a desvalorização que sofreram em seu núcleo familiar com o parceiro(a). As pessoas procuram ansiosamente aquilo que não tiveram na família de origem e quando o cônjuge se mostra incapaz de oferecer-lhe aquilo que cobiçam, se decepcionam.

As escolhas de parceiros se dão em nível de inconsciente, por isso é que muitos relacionamentos não dão certo, porque, sem saber, as pessoas eternizam as perdas, repetindo tragédias do passado.


5 visualizações

CLIQUE E FALE

+55 51 999-877-258

REDES SOCIAIS

Código de Ética Profissional do(a) Psicólogo(a)

CONSULTÓRIO

Rua Rita Lobato, 191 sala 306

Praia de Belas - Porto Alegre/RS

Conselho Regional de Psicologia do RS