Empatia e compaixão trilham o mesmo caminho?


A inspiração de escrever este artigo surgiu quando fazia uma palestra e citei que precisamos ter empatia e compaixão pelos outros. Neste momento, alguém grita para fazer graça “ela valoriza tanto a empatia que diz duas vezes a mesma coisa de forma diferente”, deixando os demais atônitos e atestando a sua total ignorância em relação ao significado dessas palavras.


Por um tempo curto foi observado o movimento do grupo e no momento considerado propício, resolvi responder ao cidadão que se julgava muito seguro na sua colocação, podendo ser isto observado quando dizia ao grupo: “é tudo a mesma coisa, são sinônimos, é só olhar no dicionário”.


Aproveitando o tempo que o grupo discutia o assunto, para pensar a melhor forma de responder, optei por iniciar explicando que a diferença das palavras tinha início na sua etimologia. Empatia vem do grego empatheia e compaixão do latim compassio. Quando iniciei a explicação, o rapaz começou a se encolher na cadeira e o objetivo da minha fala não era intimidá-lo, mas levar a ele o conhecimento que não tinha, sem lhe causar constrangimento.


Empatheia em+phateia=patos/paixão, que significa a capacidade de se colocar no lugar de outra pessoa, buscando agir ou pensar da forma como ela agiria ou pensaria; aptidão para identificar-se com outro, sentindo o que ele sente, desejando o que ele deseja, aprendendo como ele aprende*. Já Compassio significa ato de compartilhar o sofrimento de outra pessoa. No latim, compassio significa o ato de entender a dor da outra pessoa. A palavra compassio vem da raiz compatior, um verbo que significa ter compaixão ou se compadecer de alguém.

Após dar essa explicação, mostrei que naquele momento estava sendo empática e tendo compaixão com o rapaz, ao levar a ele o conhecimento que não tinha, até porque não somos obrigados a saber de tudo. Com isso, o grupo que novamente estava começando a se movimentar para atacá-lo, parou. E aproveitei a parada do grupo para sublinhar o quão importante é acolher o outro, independente de qualquer coisa.

Podemos exercitar a empatia e a compaixão em qualquer situação, mesmo quando estamos sendo expostos, desde que não nos deixemos levar pela emoção e saibamos articular para acolher, ser empático e ter compaixão daquela pessoa que está necessitando disso.

A compaixão e empatia devem caminhar juntas, geralmente quem tem empatia condói-se com a dor do outro, mas precisamos lembrar que toda regra tem exceção, portanto pode acontecer de uma pessoa empatizar com o outro, mas não condoer-se com a dor dele. Parece paradoxal, mas não é, visto que tem pessoas que não conseguem sentir a dor do outro, porque não é algo fácil. Para ter compaixão pelo outro, precisamos calçar o sapato que ele calça, para sentir o que ele está sentindo e não é todo mundo que consegue isso. Sendo assim, apesar de o ideal ser a empatia e a compaixão caminharem lado a lado, nem sempre andarão, poderão percorrer caminhos distintos.

 

* https://www.dicio.com.br/empatia/