O que pode estar por trás do silêncio dos pais?


Cada vez mais observa-se que alguns pais optam por silenciar frente as atitudes dos filhos, acreditando que essa é a melhor forma de evitar atritos. Não percebem o que está por trás desse seu comportamento e não avaliam a representação que isso poderá ter na vida psíquica do filho.

Sabe-se que o silêncio dos pais em relação aos filhos, pode se tratar de um padrão familiar. Na maioria das vezes, são famílias que preocupam-se em mostrar aos outros a sua dedicação aos filhos, mas nos “bastidores”, essa dedicação é esquecida, vivendo cada um no seu espaço, fazendo as coisas que satisfaçam o seu ego e não dando importância ao diálogo e ao afeto.

Pode parecer exagero, mas se vê pais que não conseguem traçar elogio aos filhos, reconhecer e reforçar os seus pontos positivos, transmitir afeto, coisas tão simples, aparentemente, mas de grande importância aos filhos. Para alguns pais, tanto faz se o filho se esforça mais para impressionar ou recua ao receber seu silêncio. O fato é que o silêncio permanece irrevogavelmente registrado em sua mente, fazendo com que o filho se perceba como um “objeto” ruim, não merecedor da atenção e do afeto dos pais.

O que os filhos não sabem é que o silêncio e a falta de envolvimento dos pais para com eles se dá em função de egos inflados dos pais, pois acreditam que se traçarem algum elogio ao filho ou se lhe transmitirem afeto, estariam de alguma forma colocando em risco o seu próprio poder, o que os tornaria menos valioso.

É chocante ver a falta de comprometimento de alguns pais para com os filhos. Não envolver-se, silenciar é a maneira que alguns pais encontram de se protegerem, por não concordarem e sentirem-se agredidos com as escolhas do filho, por suas questões narcísicas.

Quanto mais silencioso e mais distante os pais ficam dos filhos, mais reforçam a necessidade que eles têm de lhes chamar atenção, através de comportamentos que não aprovam e os distanciam.

O silêncio e a falta de afeto dos pais para com os filhos, contribuem para que entendamos o comportamento do filho, pois revela o funcionamento adoecido do núcleo familiar. A ausência dos pais na vida dos filhos, pode ser uma das várias causas que leva o jovem para o mundo da droga e

depois esse jovem é visto como a “lata de lixo” da família, conforme coloca o psicanalista Kalina, em seu livro Drogadição Hoje.


Referência: KALINA, Eduardo. Drogadição Hoje. Porto Alegre: Artmed, 1999.

10 visualizações

CLIQUE E FALE

+55 51 999-877-258

REDES SOCIAIS

Código de Ética Profissional do(a) Psicólogo(a)

CONSULTÓRIO

Rua Rita Lobato, 191 sala 306

Praia de Belas - Porto Alegre/RS

Conselho Regional de Psicologia do RS