O falso eu


Segundo o psicanalista Winnicott, o verdadeiro eu tem origem no relacionamento com a mãe. Quando a criança almeja pegar alguma coisa e olha para ver se a mãe irá aprovar ou não, esse é um momento importante para criança, pois trata-se de algo mais que apenas a permissão da mãe. Na realidade a criança busca a confirmação de que esse desejo é seu e que o gesto de querer pegar é seu.

O olhar receptivo da mãe irá contribuir para que a criança tenha confiança no seu desejo, confirmando a conscientização do eu, fazendo com que vá ao encontro desse desejo. Quando não há harmonia entre o olhar da mãe e do filho, pode leva-lo a se sentir repudiado, negado, maltratado. Esses sentimentos o levam a proteger o seu verdadeiro eu, desenvolvendo-se então o falso eu.

O falso eu é complacente, funciona do jeito que a pessoa quer. Isso contribui para que muitas vezes tenha um funcionamento camaleônico, só que a pessoa não se apercebe assim.

O falso eu acaba por fazer a pessoa desenvolver um sofrimento psíquico e um gasto de energia psíquica grande, porque a pessoa vive uma vida que não é a sua. Percebe-se a dificuldade que as pessoas têm de saberem dizer quem são, porque não param para pensar sobre elas mesmas. Sabem mais da vida do outro do que da sua própria vida. Viver a sua própria vida, conectar com a sua essência pode ser muito sofrido, pois identifica aquela criança insegura que teve o seu desejo reprimido pelo olhar da mãe.

Poder identificar e compreender seus sentimentos, pode contribuir para que a pessoa dê vazão ao seu verdadeiro eu e viva de forma plena, não precisando se preocupar em ser alguém que na realidade idealizaria ser, pois já tem autonomia e não precisa mais do olhar de aprovação do outro. Infelizmente, se vê na nossa sociedade que muitas pessoas estão vivendo em busca da aprovação do outro e não percebem o alto custo que isso tem em suas vidas.

#Ego

112 visualizações

CLIQUE E FALE

+55 51 999-877-258

REDES SOCIAIS

Código de Ética Profissional do(a) Psicólogo(a)

CONSULTÓRIO

Rua Rita Lobato, 191 sala 306

Praia de Belas - Porto Alegre/RS

Conselho Regional de Psicologia do RS