Que o caso de Tatiane Spitzner sirva de alerta para as mulheres!


Espera-se que o caso da advogada Tatiane sirva de alerta para aquelas mulheres que vivem em uma relação abusiva, com a esperança que um dia conseguiram modificar o parceiro ou ele se dê conta da sua agressividade e mude. Isso só acontece no imaginário da mulher, porque ninguém muda ninguém, a pessoa só muda se conseguir perceber suas dificuldades, sua agressividade e buscar ajuda para mudar.

Homens como o marido de Tatiane existem muitos, são sedutores, amorosos e isso faz com que a mulher permaneça na relação, porque não quer perder aquela pessoa que tanto ama e que por vezes se torna agressivo. A carência faz com que a mulher não perceba o quão adoecida é a relação estabelecida entre ela e seu parceiro.

A carência afetiva cega algumas mulheres que se sujeitam a abrir mão de amigos, da família, da profissão, porque o marido não gosta. Não encontram apoio no parceiro para realizar seus sonhos, aceitam que eles lhe desvalorizem e destruam sua autoestima. Por vezes, se sentem sufocadas, tornam-se apáticas, sem vida, mas não encontram forças para reagir e dar um basta na situação. Quando manifestam sua insatisfação, o marido revida fazendo com que se sinta culpada, lhe dizendo que é mal agradecida por não valoriza-lo, pelo cuidado que lhe oferece e por tudo que faz por ela. E mais uma vez, a mulher se retrai e assume a culpa que ele lhe projeta.

Não é só a carência que prende a mulher nessa relação, mas a baixa autoestima, o medo de ficar só, a crença de que poderá não encontrar outra pessoa, a falta de amor por si, a idealização do outro, entre outras coisas. Aceitam todos os maus tratos em nome do amor, que existe só no imaginário delas. Como podem amar alguém que os mau trata, que os agride com palavras e fisicamente, que os expõe? Que amor é esse?

Quantas vezes será que Tatiane foi agredida pelo marido e não conseguiu sair da relação? A dificuldade de sair da relação, lhe tirou a vida. Quantas vidas são tiradas pela falta de coragem de sair de uma relação abusiva? O vídeo” Eu hoje recebi flores” disponível no youtube, retrata bem essa realidade.

Mulheres! Não aceitem a violência seja ela física, verbal, psicológica, moral, feminicídio, digam não a qualquer tipo de violência! Não fique tentando entender o comportamento do seu companheiro, entenda o seu comportamento. A pergunta a ser feita não é o que o leva a agir com violência, mas por que você precisa ser agredida? Por que não consegue sair dessa relação doente em que se encontra? Qual o ganho que está tendo ao ficar nessa relação?

Lembre-se, o que aconteceu com Tatiane pode acontecer com você! Ame-se, cuide-se, respeite-se, caso contrário, você poderá ser a nova manchete dos jornais. A escolha é sua!! Não consegue sair, busque ajuda, mas não se permita viver em situação de risco.

#Violência #Feminicídio

18 visualizações

CLIQUE E FALE

+55 51 999-877-258

REDES SOCIAIS

Código de Ética Profissional do(a) Psicólogo(a)

CONSULTÓRIO

Rua Rita Lobato, 191 sala 306

Praia de Belas - Porto Alegre/RS

Conselho Regional de Psicologia do RS