• Anissis Moura Ramos

Soberba e a arrogância: a serviço de quem?


Cada vez mais se percebe a dificuldade que algumas pessoas têm de serem criticadas, que buscam sempre ter a razão, não conseguem lidar com as frustrações, que preocupam-se apenas com o seu prazer, independente se aquilo está incomodando o outro e se percebem injustiçadas, vítimas da situação, projetando o problema sempre para o outro. A falta de crítica dessas pessoas é assustadora, o que dificulta muito as relações interpessoais, pois são arrogantes e soberbas.

O soberbo em geral tem uma personalidade narcisista e como tal, não consegue ter um olhar para o outro, pois acredita que o mundo gira em torno de si. Julga-se sabedor de tudo, não consegue escutar o que o outro tem a lhe dizer, porque acredita deter o conhecimento, sem perceber que desta forma atesta a sua ignorância, visto que ninguém é detentor de todo o conhecimento. Detesta ser contrariado, acredita que todo mundo tem que acatar o seu comportamento egocêntrico e quando isso não acontece, apresenta comportamento infantilizado, agindo como uma criança que recolhe seus brinquedos porque a amiguinha não fez ou disse algo que lhe desagradou. Afasta-se ou para de falar por um tempo, porque acha que dessa forma atingirá o outro com o seu desprezo. Mal sabe, que muitas vezes, o seu silêncio é muito bem vindo para a outra parte, que não aguenta mais ser importunado com as suas chatices, inadequações, arrogância, etc.

A soberba tem como função esconder o lado frágil do narcísico, as fraquezas de caráter, o complexo de inferioridade, o sentimento de menos valia que carrega consigo, seu sentimento de frustração, de fracassado, entre outros. Como o narcísico tem uma autoestima muito baixa, precisa valer-se de alguns mecanismos de defesa e por isso, muitas vezes agride, projeta sua raiva e frustração para os outros na tentativa de aliviar o desconforto que toma conta de si.

O soberbo não consegue lidar com suas emoções, sua inteligência e educação emocional deixam a desejar, por isso a dificuldade de conseguir manter o equilíbrio emocional. Qualquer coisa que fuja do seu controle e que o frustre é motivo para perder o controle, agir de forma impulsiva e despejar sua frustração no outro. Não é fácil lidar com pessoas que têm o transtorno de personalidade narcisista, porque se vale da arrogância, da soberba para conseguir se manter sempre no “salto”, mas não precisa muito para que desça dele e mostre quem realmente é.


0 visualização